Início Actual O jornalismo numa democracia plena

O jornalismo numa democracia plena

121
0
COMPARTILHE

Desconfiança, insatisfação, indiferença. Mais uma vez em debate  a credibilidade dos média agita os profissionais da informação mas também as lideranças sociais. É preocupante notar que um número crescente de leitores se afasta dos noticiários.

Hoje, as redes sociais tornaram-se uma das principais portas de notícias para nossos concidadãos. É paradoxal, pois despertam mais desconfiança do que os média tradicionais. E isso é problemático, porque os algoritmos das plataformas superexpõem artigos com forte carga emocional. Este prisma acentua artificialmente as divisões. O clima político e comunitário é afetado.

Se o jornalismo de qualidade merece ser defendido, é porque é uma peça essencial na roda da democracia. Na crise do discurso público, os leitores têm uma expectativa muito forte do jornalismo como ele deve ser: confiável, independente, centrado na realidade, colocando as opiniões a uma distância razoável. Em suma, um parceiro confiável.

Isabelle Veyrat-Masson: "A informação gera mais insatisfação quando busca a neutralidade" 

Qualidade e rigor do jornalismo neutro sem entusiasmo nos leitores

Os leitores e sobretudo os líderes de organizações têm o sonho de encontrar nos média algo para apoiar a sua opinião, dado que as suas expectativas quanto aos jornais é encontrar lá o espelho da sua visão. Mas como é impossível agradar a todos o jornalismo neutro provoca sempre uma desilusão afectiva.

Mas sem ele, que narrativa e informação darmos aos leitores? Mensagem orientada e tutelar? Não, dado que os leitores não são autómatos, embora todos estejam convencidos de que o que chamam de “verdadeiro” ou “factual” corresponde ao que pensam.

O filtro cognitivo significa que sempre descobriremos que a questão que nos preocupa nunca é bem tratada.

Houve um tempo em que não pensávamos isso, num tempo em que os meios de comunicação eram extremamente politizados, e em que todos se referiam aos meios de comunicação que lhes correspondiam. Por fim, hoje, informações que visam a neutralidade geram mais insatisfação.

Por outro lado, impressiona que as expectativas dos cidadãos se mantenham e correspondam ao que é ensinado nas escolas de jornalismo: uma imprensa neutra, objetiva, pluralista.

Acontece que  os jornalistas também são empregados… Para conciliar as exigências de sua profissão e a fragilidade de seu status, trabalham com leis que os protegem. No entanto, a concentração dos média, que atingiu um nível sem precedentes, é um problema.

Se todos os jornais forem propriedade de dois chefes e você não quiser trabalhar para nenhum deles, não poderá trabalhar … No entanto, os leitores são muito claros: querem jornalistas que façam bem o seu trabalho.

______________________

www.pacoslook.pt  o poder dos factos